Atenção

Fechar

Destaques

Muito além da competição: COB traz iniciativas de excelência para a formação social e ambiental de crianças e jovens atletas nos Jogos Escolares

Texto e Fotos por Hélio Rocha, de Plurale

De Natal (RN)

Os Jogos Escolares da Juventude de 2018 (JEJs 2018), evento oficial do Comitê Olímpico do Brasil (COB), começaram no dia 12 deste mês e vão até este domingo, 25, na ensolarada Natal, capital do Rio Grande do Norte. É a maior edição dos jogos até agora, com 5.038 atletas e, pela primeira vez, jovens de 12 a 14 anos e de 15 a 17 anos estão reunidos numa mesma celebração do esporte escolar brasileiro. O evento, no entanto, não parou por aí e inovou no que diz respeito à sustentabilidade e à cidadania, e Plurale foi conferir como o COB tem conciliado a prática do esporte e a formação esportiva, individual e cidadã dos jovens atletas.

Duas iniciativas ressaltam, uma promovida para o evento, outra de longo prazo. A primeira diz respeito à dispensa de todo tipo de materiais descartáveis pela organização dos JEJs 2018, ante a consciência do Comitê de que, ao reunir mais de cinco mil atletas num mesmo evento, o que inicialmente seria um momento de congraçamento poderia resultar na produção de lixo em larga escala numa cidade litorânea, uma combinação agressiva ao meio ambiente. A segunda, busca criar no longo prazo a consciência cidadã tanto do ponto de vista ambiental quanto social.

O Projeto Transforma, iniciado em 2016 no Rio de Janeiro como parte do Comitê Rio 2016, busca levar os valores olímpicos de amizade, respeito e excelência para as escolas públicas do Ensino Fundamental, ou seja, aquelas geridas pelos municípios. Desta forma, através de ações interdisciplinares que envolvem a pedagogia esportiva, mas a transcendem para a formação ética, psicológica e motora das crianças, o COB estabelece parceria com as redes de educação municipais, em sintonia com a base nacional curricular, para trabalhar o esporte desde a infância e buscar novos talentos, sim, mas igualmente formar melhores cidadãos.

Durante os Jogos, o programa foi apresentado a crianças da cidade de Natal, das escolas municipais Maria Ilka de Moura e Amadeu Araújo, além do Colégio Maristella e o Instituto Compartilhar. Foram realizadas atividades lúdicas, como gincanas e brincadeiras. Também foi apresentado um vídeo com a história e os valores do movimento olímpico. O ponto alto, na segunda-feira (19), foi um bate-papo da criançada com a ex-jogadora de vôlei, bicampeã olímpica em 2008 e 2012, Fabiana Alvim, a Fabi.

“É um dia inesquecível que elas vão ter. Vivenciar isso. Eu nunca mais esqueci o dia em que teve a primeira atividade cultural na minha escola, que era pública. A primeira vez que eu assisti uma peça de teatro na escola foi inesquecível na minha vida. É importante para mim fazer parte de um projeto que envolva levar esporte e cultura, que estão lado a lado, para as escolas e as crianças que mais precisam”, explicou Fabi à Plurale. “O esporte tem valores, que ficam para a vida das crianças. Não é um dia só especial para elas, mas para mim também, que tenho essa possibilidade de transmitir o que eu vivi.”

De acordo como o Gerente de Desenvolvimento Esportivo do Transforma, Kenji Saito, a ideia é levar o projeto para outras cidades, a partir de 2019, e o COB estuda aquelas que têm o melhor perfil para receber a ação, que já é considerada pelo Comitê um sucesso no Rio de Janeiro. “Ainda não temos nomes de possíveis cidades, mas há perfis que interessam ao COB, especialmente as regiões em que as estruturas privadas ensino e de incentivo ao esporte e à cultura são mais escassas”, afirmou, lembrando que no Sul do país, por exemplo, os três estados possuem redes consolidadas de formação de atletas, o que é notado no desempenho de Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul nos jogos, além de São Paulo, o estado mais rico e populoso do país.

A Gerente de Cultura e de Valores Olímpicos, Carolina Araújo, ressalta a importância de não apenas buscar atletas, o que neste projeto é um objetivo periférico, visto a própria faixa etária que trabalha. “A ideia é difundir valores, contribuir para formação pessoal das crianças e ajudar o COB a exercer seu papel para melhorar a sociedade”, o que era uma ideia do Barão Pierre de Coubertin quando resgatou a cultura grega dos Jogos Olímpicos, no fim do século XIX.

Eixos de trabalho

Os eixos de trabalho do Transforma são os módulos Valores Olímpicos para a Vida (VOV) e Curso de Introdução Esportiva e Valores Olímpicos (CIEVO), que participam na formação do indivíduo de formas diferentes, porém complementares.

O VOV propõe uma formação mais ampla, trabalhando a parte ética e psicológica das crianças, formando-as de acordo com os valores de amizade, respeito e excelência para que sejam compreendidos como não apenas olímpicos, mas de todos os seres humanos. “Bom ressaltar que o valor da excelência não diz respeito a competir, muito menos a ser melhor que os outros, mas a buscar sempre avançar em relação ao seu melhor. Estabelecer novas metas para si mesmo é buscar a excelência”, esclarece Kenji. Já Carolina lembra que este módulo pode ser trabalhado por qualquer professor da escola básica, e “envolve atividades coletivas com os alunos, buscando ministrar os três valores e seus desdobramentos”.

O CIEVO, por sua vez, tem um viés mais técnico e esportivo, trabalhando não ainda a competição, mas a formação motora das crianças, identificando aptidões que elas podem escolher aprimorar até chegar ao alto nível, que é a competição já percebida nos Jogos Escolares da Juventude, em que muitos adolescentes já mostram que, num futuro breve, farão parte da elite do esporte nacional. “O CIEVO, porém, ainda resguarda a integração com a formação inicial da pessoa, trabalhando o corpo e suas potencialidades, de forma mais lúdica e divertida, sem incentivo à competição”, explica Carolina.

Ação educativa na Praia de Ponta Negra

A quinta-feira (22) foi um dia de intervalo dos jogos, em que atletas de algumas modalidades, que encerraram competições no dia anterior, voltavam para seus estados e outros, das modalidades que ocorrerão até domingo (25), chegavam. Aproveitando a trégua, o COB promoveu nova atividade para formação da consciência ambiental dos jovens atletas, em parceria com a ambientalista Fe Cortez, embaixadora da ONU para o Meio Ambiente e líder do movimento Mares Limpos.

A chamada “Operação Praia Limpa” levou dezenas de jovens e membros do Comitê à Praia da Ponta Negra, uma das mais importantes de Natal, para recolher lixos descartáveis ao longo da orla, o que, segundo a ambientalista, é um dos principais causadores da poluição marinha. “A praia, olhando agora, parece limpa, mas é porque a maré da noite levou para dentro d'água toda a sujeira de ontem”, explicou Fe aos participantes.

Em duas horas de ação, os adolescentes caminharam pela orla recolhendo principalmente materiais plásticos. Quando retornaram, reuniram uma sacola repleta de materiais que fazem mal à fauna marinha e ao ser humano. “O mar não está para plástico”, afirmou a ambientalista, reforçando o “slogan” do Mares Limpos, “um objeto desses ingerido por um peixe ou tartaruga, por exemplo, tem consequências muito grandes para nós. As pessoas ainda pensam na 'natureza' como algo separado do ser humano, e não é. Nós somos natureza e, quando descartamos esses materiais, estamos nos fazendo mal”.

(*) Plurale cobriu o evento a convite do COB.





Ir para lista de artigos e notícias


Veja também

0 comentários | Comente

 Digite seu comentário

*preenchimento obrigatório



Ninguém comentou essa notícia ainda... Seja o primeiro a comentar!