Atenção

Fechar

Videoteca

Fome, substantivo feminino / Especial Mulheres 50 + e Agência Pública
Fome, substantivo feminino / Especial Mulheres 50 + e Agência Pública

Em agosto de 2018 a Agência Pública e a Oxfam Brasil lançaram o concurso Microbolsas Fome, que abriu inscri...

Álbum de fotos

6ª Edição do Prêmio Honra ao Mérito SocioAmbiental Lagoa Viva
A solenidade da entrega da 6ª Edição do Prêmio Honra ao Mérito SocioAmbiental Lagoa Viva foi realizada no Campo Olímpico de Golfe, na Barra da Tijuca. Cerca de 200 Ambientalistas, ...

Estante

Orquestra Societária: A Origem

Orquestra Societária: A Origem
Autor: Por Maria Aparecida Hess Loures Paranhos (Autora), Mônica Mansur Brandão (Autora)

plurale no twitter

plurale no facebook

estão comentando

Antonio Thereza Filho | 22/02/2019 | 18:51 | Na notícia: "Lira itabirana", por Carlos Drummond de Andrade - Seria uma profecia??

Resposta ao Drummond (35 anos depois) O rio já foi doce A Vale está podre de rica A pergunta que fica, que o tempo nos trouxe: Vale a pena? Vale a pena, se a alma é pequena? Fernando Pessoa já disse que não. Mariana, Itabira, querem tirar a tua beleza Te trocar por dinheiro, lucro e ambição. Vale a pena? Outrora, o metal foi o ouro Que arrancaram do nosso Brasil Para onde levaram o nosso tesouro? Ninguém sabe, ninguém viu! Ontem foi o ouro Hoje ainda tem o ferro Amanhã que será? Só choro e berro? O choro da mata O berro do macaco Sedentos por água Por alguém que os salve. Vale a pena? Acorda Brasil varonil Teu destino não é ser servil Feito mera colônia global Rejeitar qualquer tipo de lama Seja tóxica ou de qualquer outra fama Para enfim ser potência mundial. Enquanto isso vamos aguardar Que um herói de coragem dê jeito Que nos salve destas barragens Que nos livre desse rejeito. Pois é, meu caro Drumond A rapadura ainda é doce Mas não é mole não! www.facebook.com/poetaantoniothereza

Ana Celina Tiburcio | 13/02/2019 | 17:41 | Na notícia: Ricardo Boechat, o “Robin Hood” dos tempos modernos

Muito emocionante e inspirador! Muita história, aprendizado e, imagino, muitas saudades! Minha solidariedade aos familiares, amigos de profissão e coração! Admiro muito a pessoa e profissional que foi Boechat!

Lúcia Cherem | 12/02/2019 | 17:24 | Na notícia: Nescau anuncia a substituição e eliminação de canudos plásticos

Parece pouca coisa, mas começando com o canudinho, a gente pode mudar muita coisa. Adorei o texto. Conta tudo com esperança e alegria. Estamos precisando...

Lúcia Cherem | 12/02/2019 | 17:09 | Na notícia: Ricardo Boechat, o “Robin Hood” dos tempos modernos

O texto é excelente, me tocou muito. Parabéns, Sônia! É verdadeiro e dá uma boa ideia da integridade dele como profissional. Um grande abraço solidário.

Christian Travassos | 12/02/2019 | 15:21 | Na notícia: Vida é substantiva, não aposto

Que dias difíceis, Nelson. Bom ter um texto como o seu para aliviar um pouco a carga. Se agrega ainda mais dor por tantas perdas, injeta um pouco de lirismo num cenário cada vez mais materialista; uma dose de poesia na aridez nossa de cada dia.

Cristina Tordin | 12/02/2019 | 13:22 | Na notícia: Ricardo Boechat, o “Robin Hood” dos tempos modernos

Lindo texto, muito emocionante, como Boechat sempre foi.

Valentina dos Santos Leite | 12/02/2019 | 11:32 | Na notícia: Ricardo Boechat, o “Robin Hood” dos tempos modernos

Texto muito emocionante e delicado, Sônia. Uma grande perda para o jornalismo... Meus sentimentos e um abraço.

Luiz Gaulia | 11/02/2019 | 17:03 | Na notícia: Ricardo Boechat, o “Robin Hood” dos tempos modernos

Belo texto! #Boechat

Luiz | 11/02/2019 | 12:32 | Na notícia: Rébit Comida Amiga produz granolas saudáveis

Muito, muito bom produto! Viciante!! Recomendo.

Eurico Matos | 10/02/2019 | 19:20 | Na notícia: Vida é substantiva, não aposto

Uma vida não tem preço. O povo brasileiro está acostumado à impunidade, mas vozes se levantam contra policiais que matam marginais em uma troca de tiros e tem apoio até de aguns políticos. Mas se cala comovido com o ocorrido em Mariana, Brumadinho e até mesmo no Flamengo. E a impunidade gera milhares de mortes, mesmo as que previstas. E populares ainda ficam a pedir liberdade a um corrupto que com suas benesses e investimentos externos e sem retorno desviou nossos impostos que seriam para a saúde, educação e segurança, causando intermináveis filas, acomodação dos doentes no frio chão dos corredores e incontáveis mortes por falta de assistência ou medicação. Uma vida não tem preço, mas continuará sem valor enquanto nossos professores se preocuparem mais com partidarismo e menos com a verdadeira educação e enquanto a justiça (hoje com letras minúsculas) não atuar com a responsabilidade que lhe cabe, na minha opinião.