Atenção

Fechar

Pelo Brasil

Primeiro dia da Conferência Ethos reúne especialistas sobre Amazônia, diversidade e combate à corrupção

De São Paulo

Cobertura de Plurale (texto e fotos) de Giuliana Preziosi, Roberta Rossi, Carolina Araripe e Dario Menezes

Acompanhe toda a cobertura seguindo a #pluralenoethos2019

Amazônia , diversidade, pacote anti-corrupção e Responsabilidade Social nas empresas foram os temas em destaque no dia de abertura da Conferência Ethos 2019. Cerca de 700 pessoas lotaram o evento realizado no Pavilhão da Bienal de São Paulo, no Ibiraquera . Ao todo, são 60 paineis ao longo de dois dias intensos e inspiradores . A cenografia - com pallets, almofadas coloridas e material reciclado - lembrava que este é, sem dúvida , um dos maiores eventos de sustentabilidade do Brasil, realizado há 20 anos.

A abertura trouxe seguinte provocação "Dividir para conquistar - como seremos capazes de resgatar a integridade da democracia?"

O Diretor-presidente do Instituto Ethos , Caio Magri, destacou a relevância deste diálogo nos tempos atuais. Ricardo Young, presidente do Conselho do Ethos falou sobre o renascimento do processo que envolve uma nova postura empresarial e a importância da agenda global que deve nos puxar para frente.

Esther Solano, professora da Unifesp diz " a democracia é impossível de ser reconstruída se a gente não prestar atenção na escuta e na humanização com o outro".

Amazônia - O que será preciso para o Brasil combater o desmatamento ilegal até 2030? Mesa reuniu representantes do INPE, Centro Brasil no Clima e Fundação Amazônia Sustentável.

- Alfredo Sirkis:

“O desmatamento ilegal no Brasil é fruto do banditismo: especulação imobiliária rural ilegal”.

“É possível reduzir o desmatamento, como já fizemos, temos boas ferramentas. Mas agora estamos radicalmente atrás.”;

- Cláudio Almeida:

“O INPE defende a transparência dos dados e os disponibiliza publicamente. São úteis para todos: economia, políticas públicas, compliance, empresários que agem na lei etc..”;

- Victor Salviati:

“A Amazônia corre risco, existem piratas dissidentes das FARC que ameaçam a soberania nacional”;

Financeirização - Mais tarde foi realizado painel incrível sobre o processo de financeirização - como a incerteza e a segurança podem fortalecer as desigualdades e modelos que reduzem as proteções sociais quando o tema é ajuste econômico? Eduardo Fagnani da Unicamp, o economista Ladislau Dowbor e a professora da FGVLaw Tathiane Pisciteli fizeram exposições e um debate qualificado. Alguns pontos relevantes:

- É preciso ter um projeto de país para enfrentar as desigualdades, e para isso é necessário ter democracia. Não resolvemos nem as desigualdades do século XIX;

- Fundamental resgatar a produtividade dos nossos recursos! Com o que a gente produz é possível que a sociedade tenha uma vida digna.

Diversidade - Representantes do Carrefour, C&A, Accor e UNESP no painel “Qual legado sua empresa quer deixar? O propósito e os esforços antidiscriminação e a inclusão de pessoas trans, travestis e pessoas não-binárias”.

As empresas têm um papel educativo, por isso precisam ter representatividade. São muitos os desafios da inclusão, é necessário preparar a empresa para receber essas pessoas, criar um ambiente colaborativo e também se antecipar para lidar com a transfobia.

A primeira professora trans da UNESP, Daniela, alerta o público para buscar a informação como forma de combater o preconceito. E explica que muitas pessoas fazem a tradição tardia a base de muito sofrimento apenas para poderem ter uma carreira, pois sabem das dificuldades infinitas no processo.

Que o mundo seja mais justo e inclusivo. Valorizar a diversidade sempre!

Racismo - Painel forte e reflexivo: Racismo, ativismo e o pensamento crítico nas empresas e instituições.

A raça é construída socialmente e todos devem ter pensamento crítico com a diversidade: no contexto histórico e na ideologia que baseia nossas relações.

É fundamental e urgente que a sociedade compreenda seus sistemas de opressão e pense em medidas para lidar com isso!

As empresas devem incluir e não apenas inserir. Há o mito da inserção! A responsabilidade é de assumir uma postura anti-racista.

Jovens - A primeira geração sem esperança: jovens mais engajados, lutando contra o superaquecimento global e mais próximos dos povos da floresta.

Jovens engajados falando e fazendo sobre o clima! Muito importante que a juventude tenha compromisso e respeito com o meio ambiente, e também essencial que toda sociedade os escute.

A reivindicação é: Justiça climática, equidade geracional e educação climática.

A liderança indígena Hamangaí Pataxó relata a antiga guerra, a constante tentativa de extermínio dos povos indígenas e deixa seu recado “ A gente só cresce coletivamente. Não é com ódio que vamos nos curar. O momento é de fortalecimento coletivo”.

Ética digital - Para fechar o dia na Conferência Ethos 2019, o painel é sobre Ética digital: confiança e transparência na base da transformação digital.

Sérgio Novaes, professor da Unesp e coordenador da SPRACE, defende que a adoção de técnicas de inteligência artificial é inexorável, " não existe a opção de não adotar".

Sérgio Amadeu, professor da UFABC, faz a provocação para pensarmos no que estamos construindo enquanto sociedade. "Vamos ou não controlar a tecnologia? "

E Andriei Guiterrez da IBM, defende a elaboração de um projeto de nação da era digital. Ao falar do meio empresarial, argumenta " se as empresas não conseguem explicar como seu sistema está chegando a determinada conclusão, esse sistema não pode ir ao mercado."

Cobertura Plurale #conferenciaethos #pluralenoethos2019







Veja também

0 comentários | Comente

 Digite seu comentário

*preenchimento obrigatório



Ninguém comentou essa notícia ainda... Seja o primeiro a comentar!