Atenção

Fechar

Destaques

ESPECIAL CORONAVÍRUS -

Por Sônia Araripe, Editora de Plurale

Depois de “lutar” contra o coronavírus, nosso queridíssimo professor da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro - Eco/UFRJ, escritor relevante, SÉRGIO SANTANNA , 78 anos, faleceu esta madrugada (10 de maio).
Fica o nosso carinho para a família amiga - Ivan Sant'Anna , Cecília , Sonia , Paula, André e todos - de uma legião de amigos e alunos .
E agradecimento para equipe do Quinta D`Or que fez tudo o que era possível. Ele esteve internado por uma semana.
Nosso Sérgio foi muito mais que um grande Professor para aqueles jovens "focas" nos anos 80. Era um escritor incrível ... foi um ícone e referência para toda uma geração de jornalistas que militam na imprensa.
Lembro das incríveis aulas, das conversas que se seguiam no "pé-sujo" em frente à Faculdade. Também das dicas de livros - não costumava falar dos seus - que procurávamos "rachar" e compartilhar. Aos que ainda não leram, recomendo especialmente o premiado "Confissões de Ralfo", "A senhorita Simpson", "O voo da Madrugada" e "Anjo noturno". Mas tem uma lista longa de livros bárbaros.
Por estas idas-e-vindas da vida, acabei me aproximando também de seu irmão, o também escritor Ivan Sant`Anna, no fim dos anos 90, já como repórter do Jornal do Brasil especializada em mercado financeiro. Ivan tinha lançado livro espetacular ("Mercadores da noite") sobre o verdadeiro fascínio que o mercado futuro de opções exercia em uma geração de profissionais como ele, que chegou a operar no exterior. Desde então, tinha uma "conexão" direta com Ivan, acompanhando sua carreira de sucesso como escritor e roteirista de vários títulos maravilhosos (tenho todos também) e, de quebra, ter notícias sobre Sérgio - e seus lançamentos.
Quando Plurale "nasceu", em 2007, convidados muitos e conseguimos reunir Ivan e alguns amigos queridos. Sérgio, mais retraído e avesso aos compromissos sociais, não apareceu. Mandou recado de boa sorte por Ivan. Ao longo destes 13 anos fiz questão de levar, pessoalmente, um exemplar, nas minhas idas à Laranjeiras, onde o tricolor Sérgio morava. Deixava na portaria, à-moda-antiga, com bilhete. Não tinha certeza se chegaria a ler ... até que um dia, do nada, chegou comentário simpático e caloroso pelo meu Facebook. Era o Sérgio! Agradecia o envio costumeiro, elogiava Plurale e desejava vida longa. Esta semana, procurei de todo jeito lembrar quando foi postado, mas, por esta avalanche de bobagens que postamos em nossas redes, e por este "apagão" da memória que não ajuda, ainda não achei. Era, sem dúvida, Sérgio sendo Sérgio. Poucas palavras, mas com seu estilo genial. Recentemente, ainda passamos por Laranjeiras e deixamos com o porteiro a nova Edição 69. Provavelmente ele não chegou a ter tempo de ler.
Foi lindo, Mestre Sérgio. Ficam os seus livros e o legado. Jamais te esqueceremos. Muita luz. Você estará nas melhores companhias de Aldir Blanc, Rubem Fonseca, Moraes Moreira Flávio Migliaccio e tantos outros.
E para os que ainda duvidam ...não é uma gripezinha.






Veja também

3 comentários | Comente

 Digite seu comentário

*preenchimento obrigatório



Maurette Brandt |
Este não é um artigo, é um filme delicado. É um superoito que virou stream. Várias tecnologias amorosas deixam sua marca nessa longa história de admiração e amizade. Qual o universitário que não passou pelas conversas no bar, após (ou talvez durante) as aulas? Quando se tem um Sérgio Sant'Anna como professor, instigador e instilador de feitiços literários, nem o mundo seria limite. Imagino o que seriam suas aulas, com o carisma incrível que tinha e o estilo provocador tipo sério que cativava todo mundo. Vejo a Sonia em todos esses lugares e momentos, no meio de uma galera, em imagens rápidas, corte seco, câmera lenta, frame a frame, zoom rápido. Tempos de entusiasmo e coragem. Tempos de Sérgio Sant'Anna, a riqueza toda ali, no dia a dia, normal. Tudo de bom era possível. Não podia ter sido diferente; forjou-se ali a jornalista obstinada, atirada e contundente que transformou, enriqueceu - e hoje "pluraliza" a imprensa com uma contribuição não só rica como esclarecedora e muito variada na seara da sustentabilidade. A homenagem é linda, emociona. Traz o Sérgio para perto de nós com leveza e uma enorme nitidez. Diminui nossa orfandade de grandes homens nesses tempos agudos, com sua memória afetiva e sensível.

Sonia Ribeiro |
Triste, querida! Mais uma perda lastimável! Linda homenagem! Que ele siga em paz e Luz!

Hekel |
Que bela homenagem! A aluna que não esquece o mestre. Estaremos passando o que será eternizado.