Atenção

Fechar

Casos e Causos

Uma Flip para ficar em casa?

Em 2020 a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) pode deixar as ruas para acontecer apenas em ambiente digital

Por Débs Monteiro, Especial para Plurale

Desde 2003 a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) transforma a paisagem da cidade de Paraty, declarada Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco. Nos cinco dias da Flip as ruas da região do Centro Histórico passam a ser espaço de celebração para a literatura e outras artes, o burburinho do público substitui o silêncio do cotidiano e a programação intensa oferece a oportunidade do diálogo entre os convidados e o encontro com o público. É um momento de festejar a reflexão e o debate de ideias com respeito à diversidade, além de consolidar a ocupação do espaço público com cultura.

A 18.ª edição da Flip tem como autora homenageada a escritora Elizabeth Bishop (1911-1979) e estava marcada para acontecer entre os dias 29 de julho e 02 de agosto de 2020. Porém, a história do evento começou a mudar quando em 11 de março a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou a pandemia da Covid-19. Imediatamente os organizadores da Flip se prepararam para acompanhar as incertezas dos tempos excepcionais em que vivemos, com a necessidade de cumprirmos o isolamento social e as dúvidas quanto às perspectivas para a realização de eventos, festas e festivais que motivem a aglomeração de pessoas. Mauro Munhoz, diretor artístico da Flip, conta que no primeiro momento lidou com o sentimento de perplexidade em relação à gravidade das implicações gerais associadas à pandemia. “Mesmo com todo o avanço para a atuação em rede, o mundo percebeu que não está preparado para enfrentar uma epidemia como essa, e os desdobramentos, principalmente nas áreas da saúde e da economia, apresentam uma complexidade desafiadora, com um conjunto de variáveis não inteiramente absorvido até agora”, comenta Mauro Munhoz.

A percepção do cenário de crise com a ameaça do coronavírus a nível global exigiu providências e no dia 23 de março foi anunciado o adiamento da Flip para novembro. “O Programa Principal já estava em boa parte definido, em negociações avançadas com autores convidados, parceiros, apoiadores, fornecedores, equipe”, conta Mauro. “Não foi uma decisão fácil, levando em consideração a importância que a Flip assumiu, ao longo do tempo, para o cenário cultural brasileiro e para a dinâmica sociocultural de Paraty”. Por isso, aumenta a expectativa quanto à data estabelecida para a realização da Flip, que ainda não está definida. “É uma decisão complexa que depende das articulações que a Flip estabelece com a prefeitura e a comunidade”, afirma Mauro.

E na eventualidade do contexto não permitir a realização da Flip presencial, é possível que neste ano o público seja convidado a participar de uma edição totalmente online. “O inevitável adiamento de julho para novembro nos obrigou a um novo planejamento para migrar ao espaço virtual, com uma programação online em que estamos trabalhando agora para ser anunciada em breve”, revela Mauro. Para ele a “nova normalidade” se desenhará naturalmente. “Como resultado da leitura do mundo neste momento, será uma Flip híbrida, física e virtual nas proporções que a realidade permitir, mas seja em que dimensão for, seu DNA será preservado, valorizando a literatura e as artes como meio para refletir e debater os desafios que o mundo enfrenta”.

O diretor artístico da Flip acredita que no Brasil nós teremos a chance de aprender uns com os outros em iniciativas como a Global Association of Literary Festivals, associação da qual a Flip faz parte como sócia-fundadora. Criada no início do ano como um fórum para conectar todos os festivais de literatura do mundo, a Global Association of Literary Festivals vai funcionar promovendo o intercâmbio de iniciativas e a cooperação internacional no segmento, criando a oportunidade dos diferentes festivais compartilharem suas práticas e explorarem parcerias. Para Mauro Munhoz, a natureza da Flip pode agregar na compreensão do momento atual justamente porque seu desenho foi inspirado na observação de como os paratienses se relacionaram com as expressões artísticas, bem como com os diferentes períodos que marcam a História de Paraty. “A primeira leva de artistas chegou em Paraty nos anos 60, entre eles Maria Della Costa, Sandro Polloni, Themilton Tavares, Hélio Braga, Paulo Autran, Fábio Villaboim, Djanira e outros nomes das artes e das letras, e houve um troca muito rica durante duas décadas, que reativou a sua tradição de séculos como fértil lugar de encontro de uma forte cultura local com o que vem de fora”. Além disso, Mauro lembra o ciclo do tráfico de escravos, o ciclo do ouro, o ciclo do café e agora o ciclo das trocas culturais e da valorização da cultura que brota das comunidades. “Em parceria com as comunidades locais, a Flip busca criar um ambiente propício às trocas, na tradição histórica da cidade como entreposto”. Mauro enfatiza que a Flip continuará sendo uma manifestação cultural que ativa o espaço público, reverberando vozes locais e internacionais, mostrando a importância da cultura no fortalecimento da democracia e da liberdade de expressão com os conflitos e contradições que caracterizam o coletivo.

Caso seja viável acontecer de maneira presencial, aproveitando as potencialidades do espaço físico de Paraty, Mauro assegura que a Flip encontrará seu novo modelo a partir da leitura do território e das circunstâncias. “Vale lembrar que já ocupamos a Casa de Cultura de Paraty e a Igreja da Matriz sem as tendas como as conhecemos hoje, e elas já foram instaladas em outro formato, na margem esquerda do rio Perequê-Açu, uma ocupação que contribuiu para revitalizar urbanisticamente aquela área a partir das experiências que a Flip ajudou a estabelecer ali”, menciona Mauro. A arquitetura da Flip consolidou na edição de 2019 a Praça Aberta, localizada no Areal do Pontal, onde parceiros da Flip ofereceram programação variada ao público e os coletivos e movimentos comunitários da região de Paraty promoveram ações de agroecologia e economia solidária com artesãos, agricultores, artistas e ativistas. No mesmo local as pessoas podiam embarcar no Barco Educativo, transporte gratuito para a Biblioteca Comunitária Casa Azul, eixo central do Programa Educativo da Flip, que vem expandindo suas atividades ao longo dos anos. Fundada em 2005, a biblioteca localizada no bairro da Ilha das Cobras tem quase 18 mil livros em seu acervo e oferece programação gratuita para a formação de leitores e o apoio aos professores da rede pública de Paraty. “Quando falamos em leitura do território, a isso nos referimos: que relação virtuosa podemos estabelecer com a cidade de forma a beneficiar o espaço público e suas forças vivas?”, questiona Mauro. “É o que temos feito edição a edição desde o início”. Mauro celebra que os parceiros da Flip tenham esse entendimento do papel fundamental da cultura no estabelecimento de novos caminhos para mediar a relação das pessoas com o mundo real. O diretor artístico acredita que o futuro não é possível sem a subjetividade. “No plano das artes as subjetividades se legitimam, e a objetividade sozinha não dará conta dos grandes desafios que temos pela frente”.







Veja também

1 comentário | Comente

 Digite seu comentário

*preenchimento obrigatório



Maurette Brandt |
Muito completa e oportuna a matéria. A Flip é um evento da maior importância para o país, internacionalmente consagrado, e é muito bom saber q a organização está se preparando para que aconteça da melhor maneira. Parabéns à autora e a Plurale por levantarem esse tema!