Atenção

Fechar

Destaques

Sesc Pantanal inicia pesquisa para avaliar impactos dos incêndios na fauna do bioma

Aplicativo da Fiocruz utilizado na Reserva do Sesc Pantanal é público e reúne dados de animais mortos e vivos

Do Sesc Pantanal - De Poconé (MT)

Fotos de Jeferson Prado - Divulgação

Os incêndios florestais no Pantanal já consumiram mais de 4 milhões de hectares em 2020, cerca de 98 mil deles na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN Sesc Pantanal), localizada no município de Barão de Melgaço, em Mato Grosso. Maior do país, a reserva de 108 mil hectares deu início a pesquisa que irá avaliar os impactos dos incêndios na fauna pantaneira. Com duração de 12 meses, esta primeira etapa do estudo irá direcionar a melhor maneira de executar o manejo adaptativo e regenerativo da área, após o pior incêndio da história da região dos últimos anos.

Realizado por meio do Grupo de Estudos de Vida Silvestre (GEVS), composta por pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Fiocruz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Museu Nacional do Rio de Janeiro, o estudo utiliza o aplicativo "SISS-Geo" da Fiocruz para realizar o levantamento dos animais vivos e mortos na RPPN. Por meio do Sistema de Informação em Saúde Silvestre – SISS Geo, é possível registrar, online ou offline, informações sobre animais, sua localização, características do ambiente e também tirar fotos.

De acordo com o biólogo da Fiocruz, José Luís Cordeiro, que realiza pesquisas na RPPN Sesc Pantanal há 20 anos, a série histórica de estudos permitirá comparar a ocorrência e abundância das espécies e, portanto, ter uma noção mais próxima da realidade dos impactos sobre essas populações. "Já sabemos que os animais não morreram só queimados, mas de fome e sede. Por isso, o uso do aplicativo permite estimar a proporção da tragédia. Junto a isso, temos também a colaboração de guarda-parques e brigadistas do Sesc Pantanal, que são da região e enriquecem a pesquisa a partir da troca de experiências. Assim, é possível gerar mais conhecimento e qualificá-lo", declara.

Mesmo com o histórico de pesquisas, ainda é cedo, e complexo, para falar sobre regeneração do bioma, afirma a gerente de Pesquisa e Meio Ambiente do Sesc Pantanal, a bióloga Cristina Cuiabália. "Temos uma referência sobre o passado, mas ainda vivemos este presente, de maneira inédita, e temos um futuro incerto, pois há outros fatores, como mudanças climáticas, por exemplo. Isso vai interferir ou não? Não sabemos ainda, pois não há dados o suficiente para trazer mais luz a essas respostas. Somos otimistas e estamos aqui tentando trazer mais vida e regeneração para uma área tão afetada. Esperamos que essa regeneração seja no tempo certo, no tempo da natureza, e vamos dar toda condição para que isso aconteça", declara.

Este ano, destaca a superintendente do Sesc Pantanal, Christiane Caetano, foi histórico, o que reforça a importância da união de esforços para que este cenário não se repita nos próximos anos. "Diversos fatores contribuíram para que o fogo alcançasse as proporções deste ano. Por isso, todos os que vivem no Pantanal precisam estar unidos e preparados para fazer a prevenção, o combate e também evitar o uso do fogo no período proibitivo. Cada ação importa para termos o período da seca com menos impacto para a biodiversidade, as comunidades e as propriedades privadas", conclui.

Resgates e alimentação dos animais

Além do aplicativo, a equipe de pesquisadores também utiliza drones para registros das áreas e armadilhas fotográficas para captação de imagens dos animais vivos, que têm recebido água e alimentação, numa ação emergencial, considerando a falta de recursos naturais, escassos pela seca severa deste ano e o fogo.

Cerca de 5 toneladas de frutas e verduras já foram distribuídas neste mês, por meio da parceria com a Ampara Silvestre e o SOS Pantanal. A ONG Mata Ciliar também colaborou com o resgate de animais, que foram encaminhados para atendimento da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema).

Caminho do fogo

A RPPN Sesc Pantanal foi atingida por diversos focos de incêndio, o primeiro deles no dia 2 de agosto. Desde então, a brigada de incêndio do Sesc Pantanal trabalhou para conter o avanço do incêndio na área conservada há 23 anos.

Todo o entorno da reserva - fazendas São Francisco, Santa Lúcia, Aldeia Perigara e o distrito de São Pedro de Joselândia, comunidades Retiro de São Bento e Pimenteiras - também foi atingido. Conforme dados e perícia do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso, nenhum foco foi iniciado ou saiu da reserva durante todo o período de combate.

Logo nos primeiros dias da Operação Pantanal II, deflagrada no dia 7 de agosto, as duas frentes de fogo, ao norte e ao sul, avançaram até se encontrar na parte central da reserva. O fogo avançou ao oeste e, durante 40 dias, 23 mil hectares ao leste da RPPN foram preservados. Até que, no dia 14 de setembro, a última frente de fogo entrou nesta área ao leste, totalizando cerca de 98 mil hectares queimados.







Veja também

0 comentários | Comente

 Digite seu comentário

*preenchimento obrigatório



Ninguém comentou essa notícia ainda... Seja o primeiro a comentar!