Atenção

Fechar

Destaques

ESPECIAL CORONAVÍRUG / UNESCO - dois terços do ano acadêmico foram perdidos com o fechamento das escolas devido à COVID-19

  • Da Unesco
  • Um ano após o início da pandemia da COVID-19, mais de 800 milhões de estudantes – ou seja, mais da metade da população estudantil mundial – ainda enfrentam interrupções significativas na educação, que vão desde o fechamento de escolas em 31 países até os horários acadêmicos reduzidos ou de meio-período em outros 48 países. Os dados constam do mapa de monitoramento interativo da UNESCO.
  • Em todo o mundo, as escolas estiveram totalmente fechadas por 14 semanas desde o início da pandemia. Esse número sobe para 22 semanas – o equivalente a dois terços de um ano acadêmico – quando se considera o fechamento localizado de escolas.
  • No Brasil, as escolas ficaram fechadas por 40 semanas.
Pandemia da COVID-19 provocou fechamento de escolas em todo o mundo
Pandemia da COVID-19 provocou fechamento de escolas em todo o mundo

Um ano após o início da pandemia da COVID-19, mais de 800 milhões de estudantes – ou seja, mais da metade da população estudantil mundial – ainda enfrentam interrupções significativas na educação, que vão desde o fechamento de escolas em 31 países até os horários acadêmicos reduzidos ou de meio-período em outros 48 países. Os dados constam do mapa de monitoramento interativo da UNESCO.

O mapa mostra que, em âmbito mundial, as escolas estiveram totalmente fechadas por uma média de 3,5 meses (14 semanas) desde o início da pandemia. Esse número sobe para 5,5 meses (22 semanas) – o equivalente a dois terços de um ano acadêmico – quando se considera o fechamento localizado de escolas.

A duração dos fechamentos varia muito de região para região: na América Latina e no Caribe, a média é de até 5 meses (20 semanas) de fechamentos nacionais completos; na Europa, a média é de 2,5 meses (10 semanas) e, na Oceania, é de apenas um mês.

Variações regionais semelhantes são observadas quando se consideram os fechamentos localizados: a duração dos fechamentos completos e localizados, em média, excedeu sete meses (29 semanas) na América Latina e no Caribe, em comparação com a média mundial de 5,5 meses (22 semanas). No Brasil, as escolas ficaram fechadas por 40 semanas.

Os governos têm se esforçado para minimizar os fechamentos em âmbito nacional – no pico, em abril de 2020, eram 190 países, e agora, diminuiu para 30 o número de países favoráveis a fechamentos parciais e/ou locais. Atualmente, as escolas estão totalmente abertas em 101 países.

Os fechamentos prolongados e repetidos de instituições de ensino estão causando um impacto psicossocial cada vez maior nos estudantes, e também estão aumentando as perdas de aprendizagem e os riscos de abandono escolar, além de afetarem os mais vulneráveis de maneira desproporcional. O fechamento total das escolas deve, portanto, ser o último recurso, e reabri-las com segurança, uma prioridade.

Audrey Azoulay, diretora-geral da UNESCO

Dados do Relatório de Monitoramento Global da Educação da UNESCO indicam que, mesmo antes da crise da COVID-19, apenas um em cada cinco países demonstrou forte compromisso com a equidade na educação por meio de seus mecanismos de financiamento, e há pouca evidência relacionada a uma forte abordagem de equidade nas respostas à COVID-19.

Nós precisamos de um pacote de recuperação com financiamento adequado para reabrir as escolas com segurança, que vise aos mais necessitados e coloque a educação de volta nos trilhos para a geração COVID-19. Eu apelo aos países e aos parceiros para priorizar a educação, um bem comum mundial, em sua recuperação.

Audrey Azoulay, diretora-geral da UNESCO

A celebração do Dia Internacional da Educação da UNESCO, em 25 de janeiro, pede pelo aumento e pelo melhor financiamento da educação, e chama atenção para o baixo nível de prioridade que é dedicado aos esforços de recuperação da educação.

Os dados da UNESCO mostram que o setor recebe apenas cerca de 0,78% dos pacotes de ajuda em todo o mundo. Além disso, a ajuda à educação deve diminuir em 12% como resultado da pandemia. A pandemia também deve aumentar em um terço a lacuna de financiamento para a educação, chegando a 200 bilhões de dólares anuais em países de renda baixa e média, o que representa cerca de 40% do custo total. O investimento inicial em programas de recuperação e restauração economizará dinheiro no futuro, reduzindo em 75% o custo de reparar os danos causados pela COVID-19.

Na Reunião Global de Educação, organizada pela UNESCO em outubro de 2020, governos e parceiros se comprometeram em proteger os orçamentos educacionais e focar a recuperação com a reabertura segura e inclusiva das escolas, além de apoiar o desenvolvimento das habilidades de professores e a conectividade para todos.

Para permitir um retorno seguro à escola, a UNESCO apelou para que 100 milhões de professores e educadores de todo o mundo tenham prioridade nas campanhas de vacinação.

Acesse aqui o Mapa mundial de monitoramento da UNESCO, que fornece a situação dos fechamentos e das reaberturas das escolas.

Informações para a imprensa: Clare O’Hagan - c.o-hagan@unesco.org







Veja também

0 comentários | Comente

 Digite seu comentário

*preenchimento obrigatório



Ninguém comentou essa notícia ainda... Seja o primeiro a comentar!