Atenção

Fechar

ESPECIAL CORONAVÍRUS

Rubens Ricupero diz que o Brasil usou e abusou do direito de errar na compra de vacinas e minimizou o problema

Durante o Foro Inteligência, o ex-ministro apontou a diplomacia como o caminho para acesso aos imunizantes o mais rápido possível
O ex-ministro da Fazenda e diplomata Rubens Ricupero debateu na noite de ontem (14/4), durante o Foro Inteligência, as possíveis brechas para que o Brasil possa ter acesso e garantir a entrega de vacinas o mais rápido possível. O Brasil é visto no mundo como um desastre no enfrentamento da pandemia. "Nossa imagem é a pior possível. Já somos percebidos como um risco sanitário pelos vizinhos. Um sério problema resultante do isolamento político, sobre o qual se fala pouco, é a distribuição da vacina. O Brasil pode ficar no fim da fila da vacina", destaca.
Desde o início da pandemia o governo brasileiro, destacou Ricupero, minimizou o problema, hostilizou a Organização Mundial da Saúde (OMS), rejeitou e ironizou a vacina da Pfizer. "O Brasil usou e abusou do direito de errar. Não fosse o governo de São Paulo, ainda nem teríamos vacina. Foi uma iniciativa de um governo subnacional. Essa sucessão de erros não se corrige facilmente", ressaltou Ricupero.
Durante o evento, o diplomata avaliou que, caso não haja uma mudança concreta na política externa, vai haver cada vez mais um isolamento do Brasil. Ressaltando as inúmeras provocações do governo brasileiro à China, lembrou que o país asiático é extremamente suscetível, já que no passado sofreu muita humilhação dos ocidentais. "O atraso no fornecimento da matéria-prima foi um sinal que o governo chinês mandou como uma advertência ao governo brasileiro. Tanto que agora o governo parou de insultar a China. O atraso foi de algumas semanas e o Brasil sentiu as consequências disso", pontuou.
Depois da China, os Estados Unidos vão ser o maior fornecedor de vacinas. O diplomata também acredita que um bom relacionamento com o país pode facilitar o acesso e a entrega de imunizantes mais rápido. Em fevereiro, o governo americano afirmou que pretende fortalecer a relação bilateral com o Brasil nos próximos meses, mas fez alertas para pontos discordantes com o Brasil. Os Estados Unidos vêm mostrando preocupação com o desmatamento na Amazônia e cobrou avanços da pauta ambiental no governo brasileiro. A questão do clima é o próximo ponto de tensão, mapeado por Ricupero, entre as dificuldades que o governo brasileiro terá frente aos Estados Unidos para receber os imunizantes que vão sobrar no país.
O governo americano, apontou Ricupero, tem lotes da vacina AstraZeneca que não serão usados, pois não houve aprovação interna. O México e o Canadá já receberam doações dos Estados Unidos. "Mais uma vez a questão diplomática do governo brasileiro será decisiva para que o Brasil possa receber também", avalia.
Para Ricupero, o único trunfo para reverter a situação atual é justamente a tragédia em que o Brasil se encontra. "Como o Brasil está sendo visto como o pior do mundo a lidar com a crise, isso pode fazer com que os outros países tenham pena e nos ofereçam ajuda", disse. O apelo do ministro da Economia, Paulo Guedes, por "cooperação internacional" para melhorar a distribuição de imunizantes, a fim de permitir uma recuperação mais homogênea da economia mundial está começando a fazer efeito, acredita o diplomata.
Ricupero observa que para reverter a imagem do país é necessário partir para mudanças concretas. Mais do que palavras e discursos, ele afirma, é necessário ação. O Brasil tem chances, vai depender de o governo promover essa mudança. "O que esperamos é uma melhoria real. Boa parte dessa agenda deve focar no meio ambiente. Vamos mudar ou manter essa atitude de desafio, que pôs de lado o Fundo Amazônico? É preciso saber se o governo vai aproveitar essa mudança como uma oportunidade de ouro para repensar as premissas e reavaliar o que fizemos até agora e seguir um caminho diferente", diz o diplomata.
Sobre a crise sanitária, Ricupero advertiu que já é sabido que sempre haverá epidemias, risco intensificado pela globalização. "Desde a gripe espanhola, já tiveram de sete a oito episódios de novas doenças. A diferença é que elas eram contidas nas regiões de origem. O mundo não tem sistema para controlar pandemias. O ideal seria um sistema preventivo que pudesse identificar a epidemia, antes de virar pandemia", opina.
Para o futuro do Brasil, em longo prazo, o ex-ministro recomenda que se volte a fazer o que sempre foi a missão da Fiocruz e do Instituto Butantã: investir e produzir vacinas. "O país sempre foi referência nessa área. Mas para isso, é imprescindível contar com o apoio do governo e do Ministério da Ciência e Tecnologia. Tem que haver um esforço nacional", avaliou.
Sobre o Foro Inteligência:
O Foro Inteligência reúne o BRICS Policy Center e a Insight, com o apoio do Instituto de Relações Internacionais (IRI) da PUC-Rio e da Casa de Afonso Arinos. Com a proposta de manter um canal aberto com países como China, Rússia, Índia e África do Sul, visa apresentar palestras, cursos e seminários abordando problemas brasileiros não convencionais e que tangenciam as nações do bloco.
O BRICS Policy Center fará a ponte com os países emergentes. Pela primeira vez, assuntos brasileiros profundos, como as facções criminosas, a questão das fronteiras do país, a ameaça dos supervírus e bactérias, gargalos da industrialização da indústria brasileira, e verdades e mentiras sobre o interesse do capital estrangeiro em investir no Brasil, serão acessados a partir de um olhar convergente com o eixo dos demais países emergentes.






Veja também

1 comentário | Comente

 Digite seu comentário

*preenchimento obrigatório



moizés montalvão |
Se a opinião de Ricupero não fosse a de um diplomata ninguém daria muita atenção. Parece-me claro que o sujeito exagera e, em alguns pontos, queda para a fantasia. Seu discurso leva a entender que o nosso é o único país que está errando ao enfrentar o vírus, como se houvesse uma fórmula ideal a qual todos seguem, exceto o Brasil! A defesa que faz da China, muito “suscetível” a críticas, por ter sofrido “bullying” no passado é risível. Alegar que só temos vacinas graças ao empenho do governo de São Paulo parece mais campanha política! . Por outro lado, descontados as extrapolações, o diplomata está certo ao apontar erros do governo no enfrentamento da covid-19, só esqueceu de destacar o mau exemplo dado pelo presidente deste o início da pandemia.