Atenção

Fechar

Energia & Crédito Carbono

#COP26: “Não é blá blá blá”, diz enviado sobre promessas de fundos para zero CO2

Instituições financeiras concordaram em investir US$ 130 trilhões na transição por economia neutra em carbono; coalizão integra quase 500 instituições de 45 diferentes países; reunião será seguida de debate sobre energia limpa nesta quinta-feira. *

Legenda da foto - Climate Visuals Countdown/Raphael Pouget

Cooperativa de mulheres no sul da Mauritânia usando energia solar para operar poço que fornece água para agricultura

Do Portal da ONU Brasil - De Glasgow (UK)

No “Dia das Finanças” na Conferência da ONU sobre Mudança Climática, COP26, as atenções foram para o anúncio de US$ 130 trilhões para alinhamento da Aliança Financeira de Glasgow para Zero Emissões Líquidas, Gfanz, na sigla em inglês, com metas do Acordo de Paris.

As promessas feitas pelo grupo de cerca de 500 empresas de serviços financeiros globais, correspondendo a cerca 40% dos ativos financeiros mundiais, incluem a limitação do aquecimento global em 1,5ºC.

Transição global

Nesta quinta-feira, as discussões da conferência darão foco para iniciativas de aceleração na transição global para energia limpa.

A ONU News conversou com enviado especial das Nações Unidas para Ação Climática e Finanças na sequência da reunião com executivos do grupo que atua na mudança climática. Entre os integrantes estão banqueiros, seguradoras e investidores.

Mark Carney, enviado especial da ONU para Ação Climática e Finanças, fala na Conferência Climática COP26 em Glasgow, Escócia.
Unric/Miranda Alexander-Webber
Mark Carney, enviado especial da ONU para Ação Climática e Finanças, fala na Conferência Climática COP26 em Glasgow, Escócia.

Mark Carney disse aos delegados do evento financeiro que a mensagem central é que o dinheiro existe para a transição e que isso “não é blá blá blá”.

O também ex-governador do Banco da Inglaterra considera as emissões líquidas zero como “infraestrutura crítica do novo sistema financeiro”, como uma questão de foco no cliente, indo até onde as emissões ocorrem para ajudar a reduzi-las.

Planos

Ele explicou que as empresas que têm planos para reduzir as emissões vão encontrar financiamento, ao contrário daquelas que não vão. Ele declarou que é altamente recomendável colocar esses planos em prática.

Para alcançar o compromisso há diretrizes para as empresas envolvidas, incluindo a maioria dos principais bancos ocidentais.

As orientações são baseadas na ciência e “visam alcançar emissões líquidas zero até 2050, ao compromisso com metas provisórias para uma redução de 50% até 2030, e até mesmo 25%% nos próximos cinco anos”.

Financiamento

Para tal haverá que ajustar modelos de negócios, desenvolver planos confiáveis ??para a transição e, em seguida, implementá-los.

Turbinas eólicas em uma estrada em Heijningen, na Holanda
Unsplash/Les Corpographes
Turbinas eólicas em uma estrada em Heijningen, na Holanda

Carney destacou que haverá acompanhamento “sobre quem está indo bem, quem precisa fazer melhor e em termos de política, o que existe ou não no local.”

A Aliança destaca que o financiamento privado pode ajudar a impulsionar iniciativas desse setor e transformar bilhões já prometidos em investimento climático, por meio de canais públicos, em trilhões.

Mas compromissos ambiciosos, colaborativos e ações de curto prazo em todo o sistema financeiro serão necessários para desbloquear a mudança sistêmica. Carney destacou que até hoje “não havia dinheiro suficiente no mundo para financiar a transição e este é um divisor de águas”.

Portfólios

A secretária executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima, Unfccc, Patrícia Espinosa, disse não haver dúvida de que uma transformação profunda da economia mundial e o setor privado deve fazer parte da transição.

Para ela, trata-se de uma área que “está percebendo que os riscos climáticos são muito importantes para seus portfólios e precisam ser alinhados a uma forma mais sustentável de fazer as coisas”.

Orientações baseadas na ciência visam alcançar emissões líquidas zero até 2050
OMM/Shim Youngbo
Orientações baseadas na ciência visam alcançar emissões líquidas zero até 2050

A diretora-geral do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, Inger Andersen, acrescenta que a nova aliança com o setor privado é “uma causa absolutamente essencial”.

Ela lembrou dados do Relatório de Lacunas de Emissões revelando que 500 gigatoneladas de emissões de CO2, a serem alcançadas com os atuais planos nacionais de redução de emissões.

Metas

Extraídas 4 gigatoneladas desse total de emissões, mas contando com os atuais 55 por ano, isso não se ajusta ao ideal. Deste modo existem “algumas oportunidades reais para o setor financeiro”, por ser necessário se distanciar do carvão, petróleo e gás.

O presidente da COP26, Alok Sharma, saudou as notícias de cobertura em 90% da economia mundial por uma meta de neutralização de carbono. Apenas 30% desse total foram prometidos no início de 2020.

Ele lamentou que seja “altamente improvável” que se cumpra a meta de US$ 100 bilhões em 2021. No entanto, mencionou análise de doadores mostra que os países desenvolvidos farão uma participação significativa em direção à meta de US$ 100 bilhões em 2022.

Patricia Espinosa disse que meta de 100 bilhões talvez seja atingida em 2022
ONU/Devra Berkowitz
Patricia Espinosa disse que meta de 100 bilhões talvez seja atingida em 2022

Por estas razões, Sharma disse crer que também haja confiança de um cumprimento em 2023.

Parceria

Patrícia Espinosa enfatizou que alguns avanços foram feitos para ajudar os países em desenvolvimento a obterem os trilhões de dólares prometidos para apoiar a neutralização de carbono.

Os Estados Unidos juntaram-se numa parceria com a Grã-Bretanha, França, Alemanha e União Europeia para apoiar a África do Sul no financiamento da transição igualitária do carvão em uma iniciativa avaliada em 8,5 bilhões.

Japão e Austrália também fizeram promessas de dobrar seu financiamento de adaptação. Estados Unidos, Suíça e Canadá também anunciaram um auxílio de forma significativa com fundos para a adaptação.

Os países também se comprometeram a canalizar US$ 12 bilhões para o financiamento climático relacionado com as florestas entre 2021-2025.

Espinosa espera que a meta de 100 bilhões talvez seja atingida em 2022, com novos compromissos a ser assumidos pela Espanha, Irlanda, Luxemburgo, até o final desta conferência.

*Com reportagem de Laura Quinones, enviada especial da ONU News em Glasgow.







Veja também

0 comentários | Comente

 Digite seu comentário

*preenchimento obrigatório



Ninguém comentou essa notícia ainda... Seja o primeiro a comentar!

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.