Atenção

Fechar

Pelo Brasil

MPRJ vai interditar empresa Dexco por lançar resíduos no Rio Guandu

Companhia reúne marcas como Duratex, Hydra e Decco. A Itaúsa, holding do Itaú, é a controladora da Dexco.

Por Alana Gandra, Repórter da Agência Brasil

A 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva Núcleo Nova Iguaçu do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) obteve, na última sexta-feira (5), decisão da Justiça para interditar a empresa Dexco (anteriormente chamada de Duratex S.A), localizada no distrito industrial de Queimados, Baixada Fluminense, pelo lançamento de resíduos industriais no sistema hídrico do Rio Guandu. Entre as empresas envolvidas está unidade do grupo Dexco reúne marcas como Duratex, Hydra e Decco. A Itaúsa, holding do Itaú, é a controladora da Dexco.

A decisão, da 2ª Vara Cível da Comarca de Queimados, determina também a adequação do armazenamento e manuseio de todo o material que se encontra a céu aberto nas dependências da empresa, em um prazo de 24 horas a partir da notificação judicial. A multa diária estipulada é de R$10 mil para o descumprimento de cada uma das duas medidas.

O MPRJ informou hoje (9) que a decisão atende ação civil pública ajuizada no último dia 29 de outubro, segundo a qual uma fiscalização do Instituto Estadual do Ambiente (INEA), realizada no dia 5 do mês passado, detectou o despejo irregular de efluentes industriais no fluxo da Estação de Tratamento de Água (ETA Rio Guandu), que é a principal fonte de captação e abastecimento de água da região metropolitana do Rio de Janeiro.

Foram identificados ainda outros problemas, entre os quais insumos estocados no pátio sem os cuidados necessários, transporte interno realizado por máquinas que espalhavam material por vários pontos da unidade industrial, caixas de passagem de águas pluviais comprometidas devido ao acúmulo de sedimentos e falha no controle de poluição atmosférica.

Perigo à saúde

Na decisão, a magistrada Luciana da Cunha Martins Oliveira lembrou que a ação do INEA havia interditado parcialmente a planta da empresa DECA no local até que os problemas fossem sanados, o que não ocorreu.

“Mesmo após interdição parcial, a demandada vem funcionando ao arrepio da legislação em vigor, desrespeitando as condicionantes de validade da Licença de Operação expedida pelo INEA, sendo o causador de dano ambiental consistente no despejo irregular de efluentes, disposição inadequada de resíduos e falha no controle de poluição atmosférica. O risco ao resultado útil do processo reside no fato de a fábrica continuar seu funcionamento, mesmo após a paralisação determinada pelo órgão de fiscalização responsável, e do perigo iminente à saúde da população”, afirmou a juíza.

Os moradores da região metropolitana do Rio de Janeiro vêm enfrentando problemas relativos à qualidade da água captada pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae). Nos verões de 2020 e deste ano, 9 milhões de clientes cariocas e fluminenses da Cedae sentiram a presença da substância geosmina na água distribuída pela empresa, cujo sabor e odor pareciam com os de terra na água distribuída.

A privatização da Cedae, decidida pelos governos federal e estadual, acabou sendo dividida em duas etapas. A fase 1 resultou na concessão à iniciativa privada, em leilão realizado em 30 de abril deste ano, na Bolsa de Valores de São Paulo, da prestação do serviço de água e esgoto em várias regiões do estado, por R$ 22,7 bilhões, ágio de 133%. Foram arrematados, na ocasião, três lotes (1, 2 e 4), por duas empresas, pelo prazo de 35 anos. A distribuição de água e a universalização da coleta e tratamento de esgoto nessa primeira etapa do processo de concessão da Cedae vão beneficiar cerca de 13 milhões de pessoas.

O lote 3 tem previsão de ir a leilão no próximo dia 29 de dezembro. Nessa fase 2 do processo, o vencedor do leilão deverá universalizar o fornecimento de água e tratamento de esgoto para mais de 2,7 milhões de pessoas em até 11 anos. A Cedae, contudo, continuará existindo, por meio da captação e venda de água para os concessionários.

Posicionamento

Em nota enviada à Agência Brasil, a Dexco informou que em outubro/21 recebeu em sua unidade de louças sanitárias visitas do Inea que resultaram em pedidos de providências e ajustes nas instalações e procedimentos da fábrica e que no dia 05/11 o Inea retornou à unidade para vistoriar as providências e ajustes realizados. Segundo a empresa, os reparos já haviam sido concluídos e foram apresentados aos representantes do órgão.

Conforme a Dexco, no final do mesmo dia, a empresa foi "surpreendidos com a notificação de que o Ministério Público Estadual do RJ conseguiu uma liminar, determinando a suspensão das atividades de fabricação de material sanitário de cerâmica na unidade e o adequado armazenamento do material particulado, pontos abordados anteriormente pelo Inea e contemplados no referido plano."

"A prioridade total da Dexco, neste momento, é cumprir a decisão liminar e buscar revertê-la, de forma tempestiva, uma vez que estamos confiantes de que as alterações solicitadas foram prontamente realizadas e apresentadas ao Inea. A unidade de Queimados/RJ é dedicada à operação de louças sanitárias e está estabelecida no município desde 2013, empregando mais de 800 colaboradores. Reafirmamos o nosso compromisso com ESG, assim como com a execução do plano de ação validado para a unidade, cooperando totalmente com os órgãos envolvidos", diz a nota.

matéria atualizada às 19h45 para acréscimo do posicionamento da empresa







Veja também

0 comentários | Comente

 Digite seu comentário

*preenchimento obrigatório



Ninguém comentou essa notícia ainda... Seja o primeiro a comentar!

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.