Atenção

Fechar

Destaques

Enel Group realiza webinar global com foco em negócios inclusivos

CEO do grupo, Francesco Starace, abriu a live, que contou também com vários especialistas em diferentes países. De cadeira de roda high tech a cartão para baixa renda, várias inovações foram apresentadas.

Por Sônia Araripe, Editora de Plurale
Do Rio de Janeiro
Francesco Starace, CEO do ENEL Group - "Começamos um framework de negócios mais inclusivos em 2015. Entendemos que quando há um problema, nós, do mundo dos negócios, podemos ajudar com inovação e ideias."
Acompanhamos hoje live mais do que relevante organizada pelo Enel Group, da sua sede, na Itália, um dos principais players integrados dos mercados globais de energia. Esta holding é acionista controladora da Enel Brasil, com negócios na geração e produção de energia elétrica e também de energias renováveis, como eólica e solar. Participaram do webinar "Negócios inclusivos como uma oportunidade de valor compartilhado", vários especialistas - desde CEOs de grandes corporações a representantes de ONGs, da academia e de instituições econômicas.
Em debate, como tornar os negócios mais inclusivos, um novo mindset de repensar o conhecido "Business as usual" para tentar, ao máximo, trazer a sociedade para ainda mais perto dos negócios. E aí, tanto pode ser uma solução financeira para consumidores endividados e em situação de vulnerabilidade por causa da pandemia, como até uma cadeira de rodas de última geração com carregador elétrico para evitar deixar o deficiente sem locomoção.
A ativista e escritora italiana, Marina Cuollo, que tem deficiência e anda em uma cadeira moderna, como se fosse uma moto scooter, foi a apresentadora. Falou logo na abertura, dando o tom do evento. "Estamos aqui para falar de oportunidades e possibilidades para pessoas em situação de vulnerabilidade e deficientes."
Marina Cuollo, ativista e escritora italiana, fez a palestra de abertura do webinar - "Estamos aqui para falar de oportunidades e possibilidades para pessoas em situação de vulnerabilidade e deficientes."
O CEO do Enel Group, o também italiano Francesco Starace, frisou que a corporação está buscando trabalhar os seus negócios de forma mais inclusiva. "Começamos um framework de negócios mais inclusivos em 2015. Entendemos que quando há um problema, nós, do mundo dos negócios, podemos ajudar com inovação e ideias."
Este modelo foi apresentado também na recente COP-26, realizada em Glasgow, com um novo paradigma de gestão e forma de tocar os negócios pelo Enel Group. Lá na Conferência sobre o Clima, a questão climática foi o foco, com todas as suas consequências.Na prática, o conceito do CSV, ou criação de valor compartilhado em português, não chega a ser novo. Mas é interessante destacar todo o engajamento e empenho na sua aplicação com foco em bem-estar da sociedade e do coletivo, com ênfase na inovação. Em vez de pedir às empresas que compensem os danos que causam ou redistribuam os lucros obtidos às custas da sociedade, por este mindset, o objetivo é obter esses lucros beneficiando a sociedade.
Marco Gazzino, responsável de inovação e Laboratório de Produtos da ENEL X, empresa de inovação e sustentabilidade do Grupo, apresentou o protótipo de uma cadeira elétrica para PCDs high-tech, que vem com um carregador portátil para evitar que fique sem andar.
Ao longo de toda a manhã foram apresentadas soluções e ideias inovadoras para reduzir o 'gap' de pessoas deficientes e em situação de vulnerabilidade. Marco Gazzino, o responsável de Inovação e Laboratório de Produtos da Enel X - empresa de soluções e serviços de energia do grupo - apresentou o protótipo de uma cadeira elétrica para PCDs high-tech, que vem com um carregador portátil, o que reduz o risco que fique sem bateria. "Sabemos que sempre há um temor dos usuários deste tipo de equipamento elétrico de ficar sem mobilidade", explicou. E aí surgiu a ideia do carregador que pode ser facilmente utilizado.
Diretora do Centro de Sustentabilidade da OCDE (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico), Romina Boarini - “A prioridade número 1 do mundo agora é encontrar uma solução para a mudança climática. Precisamos ter responsabilidade social e inclusiva. Temos que criar acessibilidade para grupos e serviços.”
A Diretora do Centro de Sustentabilidade da OCDE (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico), Romina Boarini, disse que foi lançado um projeto baseado em índice de melhoria da vida. "Como as empresas podem contribuir em desenvolvimento sustentável? Nosso trabalho é prover informação para que empresas possam investir em inclusão e bem-estar.” E completou, apontando que a questão climática é mais do que urgente. “A prioridade número 1 do mundo agora é encontrar uma solução para a mudança climática. Precisamos ter responsabilidade social e inclusiva. Temos que criar acessibilidade para grupos e serviços.”
Experiências de vários países foram compartilhadas no webinar. Da Colômbia, por exemplo, foi apresentado o cartão de crédito "Fácil Condesa" para auxiliar a população de baixa renda. Caso de sucesso foi reconhecido pelo Prêmio Nobel C.K. Prahalad. Outro case também apresentado foi o programa 'Crédito Fácil' da Endesa, empresa do Enel Group na Espanha, também com foco em pessoas em situação de vulnerabilidade. "Acreditamos que apenas na Espanha hoje sejam cerca de 11 milhões em situação de pobreza de energia", calculou José Minguez, da Endesa.
Silvia Candiani, CEO da Microsoft Itália - "A pandemia afetou ainda mais as pessoas com deficiência. Nós temos que ser claros com as nossas intenções. O CEO tem que ser inovador e mostrar que é relevante investir em inclusão e acessibilidade."
Executivas de outras companhias também participaram do webinar. A Microsoft italiana foi representada por sua CEO, Silvia Candiani, que alertou para os efeitos perversos da pandemia para os deficientes. "A pandemia afetou ainda mais as pessoas com deficiência. Nós temos que ser claros com as nossas intenções. O CEO tem que ser inovador e mostrar que é relevante investir em inclusão e acessibilidade." Também a dirirgente da Cisco na Itália, Paola Rossi, deu a sua contribuição ao diálogo. “Nós queremos criar um futuro mais inclusivo para todos.”
Paola Rossi, CSR da Cisco na Itália - “Nós queremos criar um futuro mais inclusivo para todos.”
Enel - A Enel atua no Brasil em geração, distribuição, transmissão, comercialização e serviços de energia por meio da Enel Brasil e de suas subsidiárias. Em distribuição, a Enel é o maior player do país com mais de 18 milhões de clientes nos Estados de São Paulo, Ceará, Rio de Janeiro e Goiás.
No segmento de geração, a companhia também é o maior operador de energia solar e eólica do Brasil em termos de capacidade instalada, gerenciando ao todo uma capacidade renovável total de mais de 4,3 GW, dos quais mais de 1,8 GW são de fonte eólica, cerca de 1,2 GW são de fonte solar e cerca de 1,3 GW de hidro.
Em comercialização, a Enel está entre as maiores empresas de energia para consumidores finais no Mercado Livre de Energia no país. Em meados de 2020, lançou a Enel Trading Brasil S/A, nova comercializadora de energia do Grupo.
Por meio da Enel X, o Grupo atua ainda no desenvolvimento e na oferta de soluções tecnológicas inovadoras e serviços de valor agregado, com o objetivo de impulsionar a mobilidade elétrica, o consumo consciente e eficiente de energia e a transição para um sistema energético mais sustentável em benefício de clientes residenciais, empresas e cidades.
A Enel também possui e opera no país duas linhas de transmissão com uma capacidade total de 2.200 MW, que conectam o Brasil à Argentina.






Veja também

0 comentários | Comente

 Digite seu comentário

*preenchimento obrigatório



Ninguém comentou essa notícia ainda... Seja o primeiro a comentar!

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.