Atenção

Fechar

Pelo Brasil

Desmatamento cresceu 28% no Cerrado e 7% na Amazônia em 2022, em comparação ao ano passado

Valor registrado entre janeiro e julho é o maior dos últimos quatro anos para

o período no Cerrado e o maior dos últimos seis anos na Amazônia

Do WWF-Brasil

O Cerrado teve 4.091,6 km2 desmatados entre o início de janeiro e o fim de julho, de acordo com o Sistema DETER do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (DETER). O valor representa um aumento de 28,2% em relação aos sete primeiros meses do ano passado e é o maior valor acumulado para o período nos últimos quatro anos.

O desmatamento desde o início do ano até 29 de julho foi 50% maior que no mesmo período em 2020, quando atingiu 2.726,1 km2. Desde então, o valor acumulado nos sete primeiros meses do ano não parou de aumentar.

O fim de julho marca o fechamento do "ano DETER", que vai de agosto de 2021 a julho de 2022. Nesse período, o desmatamento do Cerrado atingiu 5.426,4 km2, um aumento de 11,5% em comparação ao mesmo período no ano passado (4.866,6 km2) e de 38,3% em relação ao ano anterior (3.921,6 km2).

O ano DETER de 2022 teve o segundo pior índice de desmatamento desde que o sistema foi lançado no Cerrado e o pior dos últimos três anos. Os estados que mais desmataram no período correspondem ao Matopiba - região que é considerada a principal fronteira de expansão agrícola no Brasil atualmente: Maranhão (1.255,5 km2), Bahia (1.232,0 km2), Tocantins (876,7 km2) e Piauí (691,5 km2). Com mais de 4 mil km2 desmatados, o Matopiba respondeu por três quartos de toda a devastação no bioma.

Entre os cinco municípios que mais desmataram, quatro são da Bahia. Formosa do Rio Preto (BA) lidera o ranking com 283 km2 de vegetação nativa perdida, sendo 99% dessa superfície na Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Preto. O município baiano tem sido o campeão da devastação do Cerrado nos últimos anos.

Entre 2020 e 2021, só no Condomínio Delfim, que integra o megacomplexo de fazendas Estrondo, em Formosa do Rio Preto, foram derrubados 247,3 km2, com autorização do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA) - o que caracteriza o desmatamento como uma política de estado na Bahia.

AMAZÔNIA

Na Amazônia, o acumulado de alertas de desmatamento nos sete primeiros meses do ano foi de 5.463,2 km2. Isso representa um aumento de 7,1% em relação ao mesmo período em 2021. O valor é o maior acumulado entre janeiro e julho nos últimos seis anos.

O desmatamento acumulado em 2022 foi três vezes maior que o registrado em 2017, quando foram destruídos 1.790 km2. Desde então, o valor não parou de aumentar ano a ano.

Considerando o ano DETER, de agosto de 2021 a julho de 2022, o acumulado de alertas de desmatamento foi de 8.579,3 km2. Apesar de representar uma redução de 2,3% em relação ao mesmo período do ano anterior (8.780 km2), o valor continua no alto patamar dos dois anos anteriores - e é o terceiro pior ano desde o lançamento do DETER-B, em 2015.

Os Estados que mais tiveram registros de desmatamento foram o Pará (3.070 km2) e o Amazonas (2.288,7 km2), somando 62,5% do desmatamento total da Amazônia Legal. Os dois municípios que mais desmataram são do estado do Amazonas: Lábrea, com 571 km2 e Apuí, com 566,4 km2.

Os cinco municípios que mais desmataram no período representam 28,4% do total desmatado na Amazônia Legal, com 2.440,2 km2 de vegetação nativa destruídos. As duas áreas de proteção com maior desmatamento registrado são do Pará: a Floresta Nacional do Jamanxim (87,4 km2) e a Área de Proteção Ambiental do Tapajós (85,3 km2).

Edegar de Oliveira, diretor de Conservação e Restauração do WWF-Brasil afirma que "a Amazônia é patrimônio de todos os brasileiros: é ela que garante as chuvas que regam 90% das lavouras, abastecem os reservatórios de água potável e os que geram hidroeletricidade no Brasil e em outros países da América do Sul. Ela já está sob pressão do aquecimento global e perigosamente perto do ponto a partir do qual ela entra em processo de degradação sem volta. Quando isso acontecer, todo o país ficará mais seco e mais exposto às crises hídrica, energética e até alimentar, com inflação de alimentos, como já começamos a ver. Cada hectare desmatado nos coloca mais perto desse cenário e é por isso que não podemos admitir que números como estes, que o Deter acaba de divulgar, se repitam."

Sobre o WWF-Brasil

O WWF-Brasil é uma ONG brasileira que há 25 anos atua coletivamente com parceiros da sociedade civil, academia, governos e empresas em todo país para combater a degradação socioambiental e defender a vida das pessoas e da natureza. Estamos conectados numa rede interdependente que busca soluções urgentes para a emergência climática. Saiba mais em wwf.org.br







Veja também

0 comentários | Comente

 Digite seu comentário

*preenchimento obrigatório



Ninguém comentou essa notícia ainda... Seja o primeiro a comentar!

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.